Visitantes

A dor de um insulto - Samael Aun Weor

O que provoca um insultador? Um desejo de vingança imediata. Porque? Pelas palavras ditas.

Mas, se não nos identificamos com os "eus" da vingança, é claro que não devolveríamos o insulto com insulto.

 

Mas se nos identificamos com os "eus" da vingança, estes se relacionam, por sua vez, com outros "eus" mais perversos e se termina nas mãos de "eus" terrivelmente perversos, fazendo disparates.
 

Porque assim como existe fora de nós uma cidade (por exemplo, a cidade do México, ou qualquer outra cidade do mundo), assim também dentro de nós há uma cidade psicológica. Isso é claro.


Assim como na cidade da vida urbana comum e corrente há pessoas de todas classes: Colônias de pessoas boas, colônias de pessoas más, assim também acontece com a Cidade Interior, com a Cidade Psicológica.

 

Nessa Cidade Psicológica vivem muitas pessoas (nossos próprios "eus" são essas pessoas que vivem ali) e há colônias de pessoas decididamente perversas; e há colônias de pessoas médias e há colônias de pessoas mais ou menos seletas. Nossa própria Cidade Psicológica é isso.


Se nos identificamos, por exemplo, com um "eu" de vingança, este, por sua vez, se relaciona com outros "eus" de bairros muito baixos, onde vivem assassinos, ladrões, etc, e ao relacionar-se com eles... eles, por sua vez, chegam e nos controlam, controlam nosso cérebro e terminamos fazendo barbaridades e, por último, vamos parar na prisão.

Mas, como evitarmos então cairmos em semelhantes absurdos? A resposta é: Não nos identificando com o insultador. Não nos identificando!


Há "eus" dentro de nós que ditam o que fazer e dizem: "Responda! vinga-se! não deixe barato! devolva!"...

Se nos identificamos com eles, terminando respondendo ao insultador; terminamos nos vingando, insultando de volta, etc.

Mas se não nos identificamos com o "eu" que nos está dizendo que faça semelhante loucura, então não o faremos.

Em todo caso, o insultador deixa, digamos, no fundo do insultado, ou do ofendido, uma dor.

O interessante seria que o ofendido pudesse sacrificar essa dor; e pode sacrificá-lo através da meditação.


Como se sacrifica a dor que deixa um insultador?

Compreender que o insultador é uma máquina que está controlada por determinado "eu" insultante, e que, quem lhe insultou foi na verdade um "eu".

Compreender também que somos máquinas e que também temos "eus" de insultos dentro de nós.

Então, se compararmos e dissermos: "Aquele me insulta, mas eu, dentro de mim, também tenho muitos "eus" do insulto; pois não tenho porque condená-lo, posto que eu carrego o mesmo que ele. E se eu carrego dentro de mim também "eus" do insulto, não tenho porque condená-lo.

Além disso, o que foi ferido em mim?


Possivelmente o amor próprio, possivelmente o orgulho.

Mas antes tenho que descobrir se foi o amor próprio, ou se foi o orgulho, ou o que...


Quando se descobriu quem foi o que se feriu, pois se foi o orgulho, pois passemos a DESINTEGRAR o orgulho. Se foi o amor próprio, pois, passemos a DESINTEGRAR o amor próprio.

Isso dá como resultado que, ao desintegrar isso, fica livre da dor, sacrificou-se a dor e em seu lugar nasceu uma virtude: A da serenidade (despertou ainda mais)...


Devemos ter em conta isso e aprendermos a sacrificar a dor.

As pessoas são capazes de sacrificar tudo, menos a dor: Querem muito seus próprios sofrimentos, os idolatram. Eis aí o erro.

Aprender a sacrificar nossas próprias dores é o interessante para despertarmos consciência.

Claro, não é coisa fácil, o trabalho é duro; ir contra si mesmo é algo muito duro, não é muito doce.

Mas, sim, vale a pena ir contra si mesmo, pelo resultado que se vai obter: O despertar...


Por que se termina a dor?

Porque se sacrificou e isso traz um aumento de Consciência, porque aquelas energias que estavam presas na dor, ficam livres; traz não somente a paz do coração tranquilo, como também um aumento de Consciência, um acréscimo de Consciência. Isso se chama "sacrificar a dor".


Mas as pessoas são capazes de tudo, menos de sacrificarem suas dores, querem muito suas dores; e resulta que as máximas dores são as que brindam as melhores oportunidades para o despertar, para o despertar da Consciência... Mas devemos aprender a sacrificar a dor.


Samael Aun Weor


Paz Inverencial

Comentário: Como sacrificamos a dor? Por meio da suplica à Mãe Divina, para a eliminação do defeito: A Morte em Marcha!

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now