Visitantes

Drogas: O caminho da autodestruição

 

O que são as drogas?

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), se considera droga toda substância que, introduzida no organismo por qualquer via de administração, produz uma alteração, de algum modo, do natural funcionamento do sistema nervoso central do indivíduo e é, além disso, suscetível de criar dependência psicológica, física ou ambas.

As drogas são males que estão cada vez mais enraizados em nossa sociedade. Muitas são as pessoas que se afundam nos vícios das drogas. A grande maioria, infelizmente, não sente a mínima vontade de se libertar desse detestável vício e se afunda cada vez mais na autodestruição. Esse texto é dedicado a todos que sofrem com as drogas, principalmente, aos que sentem, do fundo do coração, um desejo de mudança, um anelo de libertação desse vício. Aqui, será ensinado a como se libertar do vício das drogas. Mas, em primeiro lugar, é necessário compreender os tremendos estragos que as drogas causam tanto à alma quanto ao corpo físico.

Esse texto não se refere às drogas farmacêuticas, as quais só podem ser usadas sob orientação médica para  certos tipos de tratamentos, pois há o risco de se causar dependência química, overdose e morte.

 

Tipos de drogas

Existem dois tipos: lícitas e ilícitas. As lícitas são legalmente permitidas. As ilícitas não são legalmente permitidas e geralmente são usadas clandestinamente. Todas são extremamente prejudiciais tanto ao corpo físico, como à constituição oculta do ser humano (corpos vital, astral, mental e causal). Espiritualmente falando, as drogas adormecem a consciência, portanto, todo aquele que anele a Revolução da Consciência, deve largar tal vício.

Segundo sua origem: Esta classificação agrupa os tipos de drogas em função de como se sintetizam. Podem ser drogas naturais, drogas semissintéticas e drogas sintéticas.

Segundo o Centro Brasileiro de Informações sobre as Drogas Psicotrópicas (CEBRID), as drogas são subdivididas em: estimulantes, depressoras e alucinógenas.

 


Tipos de Drogas - Resumo

Álcool

Nome: cerveja, destilados e vinhos
Origem: grão e frutas
Forma ingestão: oral
Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento, quebra das inibições, euforia, depressão, diminuição da consciência
Duração: 2-4 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): estupor, náusea, inconsciência, ressaca, morte
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: moderado
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: obesidade, impotência, psicose, úlceras, subnutrição, danos cerebrais e hepáticos, morte
Utilização médica: nenhuma

Alucinógenos

Nome: DMT, escopolamina, LSD, mescalina, noz-moscada, psilocybina, STP
Origem: sintética, mimendro (planta), cactus, moscadeira, cogumelo
Forma ingestão: oral, inalável, injetável, nasal
Efeitos a curto prazo (quantidade média): alteração da percepção, especialmente visual, aumento da energia, alucinações, pânico
Duração: variável
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): ansiedade, alucinações, exaustão, psicose, tremores, vômito, pânico
Risco de dependência psicológica: baixo
Risco de dependência física: nenhum
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: aumento de ilusões e de pânico, psicose
Utilização médica: o LSD e a psilocybina foram testados no tratamento do alcoolismo, drogas, doenças mentais e enxaquecas

Anfetaminas

Nome: benzedrina, dexedrina, methedrina, preludin
Origem: sintética
Forma ingestão: oral, injetável
Efeitos a curto prazo (quantidade média): aumento da atenção, excitação, euforia, diminuição do apetite
Duração: 1-8 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): inquietação, discurso apressado, irritabilidade, insônia, desarranjos estomacais, convulsões
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: nenhum
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: insônia, excitação, problemas dermatológicos, subnutrição, ilusões, alucinações, psicose
Utilização médica: na obesidade, depressão, fadiga excessiva, distúrbios do comportamento infantil

Antidepressivos

Nome: tofranil, ritalina, tryptanol
Origem: sintética
Forma ingestão: oral, injetável
Efeitos a curto prazo (quantidade média): alívio da ansiedade e da depressão, impotência temporária
Duração: 12-14 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): náusea, hipertensão, perda de peso, insônia
Risco de dependência psicológica: baixo
Risco de dependência física: nenhum
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: estupor, coma, convulsões, insuficiência cardíaca congestiva, danos ao fígado e aos glóbulos brancos, morte
Utilização médica: na ansiedade ou supersedação, distúrbios do comportamento infantil

Barbitúricos

Nome: doriden, hidrato de cloral, fenobarbital, nembutal, saconal
Origem: sintética
Forma ingestão: oral
Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento, euforia, diminuição da consciência, tontura, coordenção prejudicada, sono
Duração: 4-8 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): discurso "borrado", mal articulado, estupor, ressaca, morte
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: alto
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: sonolência excessiva, confusão, irritabilidade, graves enjôos pela privação
Utilização médica: na insônia, tensão e ataque epilético

Cafeína

Nome: café, chá, refrigerantes
Origem: grão de café, folhas de chá, castanha
Forma ingestão: oral
Efeitos a curto prazo (quantidade média): agitação, irritabilidade, insônia, perturbações estomacais
Duração: 2-4 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): agitação, insônia, enjôo
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: alto
Tolerância: não
Efeitos a longo prazo: agitação, irritabilidade, insônia, perturbações estomacais
Utilização médica: na supersedação e dor de cabeça

Cocaína

Nome: cocaína
Origem: folhas de coca
Forma ingestão: nasal, injetável
Efeitos a curto prazo (quantidade média): sensação de auto-confiança, vigor intenso
Duração: 4 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): irritabilidade, depressão, psicose
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: alto
Tolerância: não
Efeitos a longo prazo: danos ao septo nasal e vasos sanguíneos, psicose
Utilização médica: anestésico local

Inalantes

Nome: aerossóis (éter), colas, nitrato de amido, óxido nitroso
Origem: sintética
Forma ingestão: inalável
Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento, euforia, coordenação prejudicada
Duração: 1-3 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): estupor, morte
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: nenhum
Tolerância: possível
Efeitos a longo prazo: alucinações, danos ao cérebro, aos ossos, rins e fígado, morte
Utilização médica: dilatação dos vasos sanguíneos, anestésico leve

Cannabis Sativa

Nome: haxixe, maconha, thc
Origem: cannabis, sintética
Forma ingestão: inalável, oral, injetável
Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento, quebra das inibições, alteração da percepção, euforia, aumento do apetite
Duração: 2-4 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): pânico, estupor
Risco de dependência psicológica: moderado
Risco de dependência física: moderado
Tolerância: não
Efeitos a longo prazo: fadiga, psicose
Utilização médica: na tensão, depressão, dor de cabeça, falta de apetite

Narcóticos

Nome: codeína, demerol, metadona, morfina, ópio, percodan
Origem: papoula de ópio, papoula de ópio sintética
Forma ingestão: oral, injetável, nasal
Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento, alívio da dor e da ansiedade, diminuição da consciência, euforia, alucinações
Duração: 4 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): estupor, morte
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: alto
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: latargia, prisão de ventre, perda de peso, esterilidade e impotência temporária, enjôos pela privação
Utilização médica: na tosse, na diarréia, analgésico, combate à heroína

Nicotina

Nome: cachimbos, charutos, cigarro, rapé
Origem: folhas de tabaco
Forma ingestão: inalável, oral
Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento, contração dos vasos sanguíneos
Duração: 1/2-4 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): dor de cabeça, perda de apetite, náusea
Risco de dependência psicológica: alto
Risco de dependência física: alto
Tolerância: sim
Efeitos a longo prazo: respiração prejudicada, doença pulmonar e cardiológica, câncer, morte
Utilização médica: nenhuma (usado em inseticida)

Tranquilizantes

Nome: dienpax, librium, valium
Origem: sintética
Forma ingestão: oral
Efeitos a curto prazo (quantidade média): alívio da ansiedade e da tensão. supressão das alucinações e da agressão, sono
Duração: 12-24 horas
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): sonolência, visão perturbada, discurso "borrado", reação alérgica, estupor
Risco de dependência psicológica: moderado
Risco de dependência física: moderado
Tolerância: não
Efeitos a longo prazo: destruição de células sanguíneas, icterícia, coma, morte
Utilização médica: na tensão, ansiedade, psicose, no alcoolismo

 

Fonte: http://www.antidrogas.com.br/resumo.php

Usuários e Dependentes químicos

Usuários: Todos aqueles que usam drogas esporadicamente e que podem deixar de usar com mais facilidade, embora corram o risco também de se tornarem dependentes químicos.


Dependentes químicos: São todos aqueles que se viciaram, usam drogas compulsivamente e não conseguem viver sem seus efeitos.

Ambos devem compreender os malefícios das drogas, antes de abandoná-las de uma vez por todas. O uso delas sempre causará efeito destrutivos, tanto no corpo físico, quanto nos outros corpos do ser humano.

Os corpos físico, vital, astral, mental e causal

 

Todas as grandes escolas iniciáticas e tradições antigas falaram sobre a constituição oculta do homem, que corresponde aos corpos vital, astral, mental e causal. Na verdade não possuímos tais corpos em si mesmos, ainda. Mas sim, possuímos eles em estágio embrionário, também chamados de espectros. Segundo os V.Ms Samael e Rabolú, para a construção de cada um desses corpos (para aprofundar-se neste ponto, leia os livros gnósticos), é necessária a prática dos Três Fatores da Revolução da Consciência. Cada um desses corpos (ou espectros) está situado em uma dimensão diferente. De acordo com a física quântica e o ocultismo, todas as dimensões se penetram e compenetram, sem se confundirem. Basicamente, temos todas as 7 dimensões aqui e agora, dentro e fora de nós. Existem outras dimensões além dessas, mas para esta etapa do estudo, necessitamos conhecer apenas estas:

3ª Dimensão: Mundo físico (Largura, comprimento e altura)

4ª Dimensão: Mundo Etérico ou Mundo Jinas

5ª Dimensão: Mundo Astral (ou mundo dos sonhos) e Mundo Mental

6ª Dimensão: Mundo Causal

7ª Dimensão: Mundo Átmico/Búdhico

As drogas não causam estragos somente no corpo físico, mas também nestes outros 4 corpos:

Corpo físico (3ª dimensão): Todas as drogas atuam modificando o funcionamento do organismo, mais especificamente, do centro instintivo, causando então um desgaste nos outros 4 centros, principalmente, no centro sexual, levando o(a) usuário(a) a impotência sexual, a curto ou a longo prazo, dependendo do tipo de droga que é usado e também da frequência de uso. As drogas levam também ao envelhecimento e decrepitude prematuros, portanto, à morte prematura.

Corpo Vital (4ª dimensão): O Corpo vital, ou assento vital também é afetado pelas drogas. Quando dormimos, o corpo vital é o responsável por reparar o nosso corpo físico, de modo que ele fique descansado, revigorado para mais um dia de rotina em nossa vida. Todas as doenças começam a se manifestar no corpo vital e, posteriormente, no corpo físico. As drogas atuam roubando a energia vital do usuário ou viciado, desvitalizando assim o corpo físico.

Corpo Astral (5ª dimensão): O Corpo astral lunar (ou espectro do corpo astral, ou corpo de desejos), também é afetado. Quando se usa drogas, os egos do usuário se robustecem e comemoram em banquetes e festins, na 5ª dimensão. Os dependentes químicos tem os seus instintos mais perversos despertados, fazendo-os cometerem crimes brutais.

Corpo mental (5ª dimensão): O Corpo mental também é afetado, fazendo o viciado ficar louco e cometer ações indevidas, como roubos ou assassinatos, para sustentar o próprio vício. Em casos extremos, as drogas levam ao suicídio.

Essência (6ª dimensão): Segundo o V.M. Rabolú, a essência de um drogado fica num estado de adormecimento profundo no mundo causal, como se estivesse bêbada.

O que é overdose?


Entende-se por overdose uma situação em que o consumo da substância é superior ao que o organismo suporta, produzindo consequências graves que requerem cuidados médicos e não raro podem levar à morte.

O corpo humano tem um limite na sua capacidade de metabolizar (eliminar) a droga ingerida, e quando ela é consumida em quantidade e velocidade superior à possibilidade de metabolização, a droga se acumula no organismo podendo provocar depressão do sistema nervoso central, com consequente parada respiratória e/ou cardíaca.

É difícil dizer qual é a dose "segura" de ingestão de substâncias, pois as pessoas têm diferentes níveis de tolerância, mas algumas drogas têm maior potencial de provocar overdose do que outras.

O risco de overdose por heroína ou cocaína é extremamente alto, uma vez que estas drogas provocam alterações profundas no sistema nervoso central, podendo levar à morte por depressão respiratória (heroína) ou ataque cardíaco (cocaína e crack).

O álcool embora, em comparação com estas duas substâncias, apresente menor possibilidade de provocar overdose, quando consumido em doses elevadas pode provocar o coma alcoólico que é fatal quando a pessoa não é atendida a tempo. Este risco aumenta consideravelmente quando o uso de álcool é associado a outras drogas, principalmente tranquilizantes. Em certas situações o indivíduo não chega ao coma alcoólico porque vomita antes ou é impedido de aumentar as doses porque adormece.

O perigo de overdose pela maconha é muito baixo, embora o seu consumo excessivo possa provocar a persistência de distorções da percepção. Já com relação ao tabaco, o risco é praticamente nulo, considerando sua forma de absorção (fumado), mas a ingestão oral de um maço de cigarros poderia ser fatal.

Finalmente é importante lembrar que determinadas drogas têm a possibilidade de provocar intoxicações acidentais e a própria morte, mesmo sem que a pessoa tenha, intencionalmente, consumido doses muito elevadas. É o caso dos barbitúricos, da codeína, da morfina e de inalantes.

Fonte: Site Álcool e Drogas sem Distorção (www.einstein.br/alcooledrogas)/Programa Álcool e Drogas (PAD) do Hospital Israelita Albert Einstein

Como livrar-se do abominável vício das drogas?

 

Antes de tudo, o dependente químico, ou usuário, deverá compreender os estragos que as drogas causam ao seu próprio corpo físico e demais corpos. Também deverá compreender que todas as sensações de prazer, advindas do vício, são fugazes, temporárias e não preencherão o seu vazio existencial. O vazio existencial vem a nós por desconhecimento de nossos objetivos de vida. Quando descobrimos quem somos, de onde viemos, para onde vamos, por quê vivemos e para quê vivemos, nossas vidas tomam um sentido diferente e somos preenchidos por uma força superior que não sabemos descrever exatamente.

 

Após compreender tudo isso, será mais fácil tomar a radical decisão de abandonar tal vício. Para ajudar, fica a recomendação de cortar, radicalmente, o contato com as antigas amizades das drogas, mudar de bairro, ou de cidade, pois, enquanto a pessoa se associe com as antigas amizades, será sempre influenciada e nunca se libertará do vício.

 

Posteriormente, já longe das antigas influências, por meio da auto-observação psicológica (ensinada em textos anteriores), será possível detectar a atuação do Ego pressionando para ser alimentado. A Legião da Gula é alimentada quando se usa drogas. Então, os detalhes da Gula começarão a brotar por vários centros da máquina humana: No centro intelectual brotará Lembranças das amizades das drogas, dos momentos que se teve com tais amizades, do cheiro da droga, do sabor da droga etc. O centro emocional atuará sentindo falta das emoções intensas que eram sentidas quando se usava as drogas. O centro motor vai atuar tentando fazer a pessoa se movimentar (levantar-se, estender a mão, digitar no telefone ou celular, entrar em redes sociais etc., etc) para entrar em contato com os fornecedores da droga ou amigos usuários, por meio de internet, celular etc. O centro instintivo sentirá falta dos efeitos prazerosos (mas destrutivos) que causam no corpo físico e demais corpos etc., podendo até ocorrer crises de abstinência.

 

“Existem drogas sedativas e drogas estimulantes. Na ausência de drogas depressivas, a pessoa fica mais acelerada, agitada, com insônia, taquicardia. O inverso acontece quando a pessoa é viciada em drogas estimulantes, como moderadores de apetite. Quando o uso é interrompido, a pessoa fica deprimida. Mas isso fica muito complexo porque as pessoas, normalmente, usam polissubstâncias”

Fonte: http://www.antidrogas.com.br

 

Para atravessar crises de abstinência, deve-se apelar para a Íntima Recordação de Si Mesmo, do Real Ser Interior, não se identificar com as reações do Ego nos cinco centros, por mais intensas que elas sejam e, então, por meio da Auto-observação Psicológica, detectando-se cada uma dessas atuações do Ego, suplicar à Mãe Divina, de instante a instante, para a Eliminação de cada um delas, dessa maneira: “Minha Mãe, desintegre este defeito!” Essa oração deve acompanhar o dependente a todo o momento. Deve-se orar sempre e não se esquecer de que somente a Mãe Divina (ou a própria consciência interior, o poder divino latente em cada um de nós) pode eliminar o sofrimento e o vício das drogas. Beber água, suco de frutas ou comer frutas doces podem ajudar, enquanto se mantém a oração constante, no intuito de que essas reações instintivas passem. E elas vão passar, após algum tempo. Não se deve voltar o pensamento às reações instintivas, nem às lembranças, e sim, à Mãe Divina interior, só Ela pode eliminar o sofrimento. Assim deve ser o real tratamento de um dependente químico. Essas crises de abstinência podem durar meses ou até anos, mas a tendência é enfraquecer gradativamente, com todo o trabalho de Morte do Ego, até que a vontade de usar drogas não exista mais, ou seja, que os “Eus da droga” tenham sido eliminados.

 

Outras coisas que podem ajudar: Práticas de Concentração e Meditação, ouvir música clássica, sair para correr, ir a praia dar um mergulho no mar, artes marciais ou quaisquer outras atividades. O importante será ocupar-se com atividades prazerosas que substituam o vício das drogas. A consciência deve se desfocar da tentação do Ego que pressiona para voltar ao vício, não se esquecendo nunca de praticar a Auto-observação e Morte em Marcha. Essas orientações também servem para desfocar a mente de grandes crises, tristezas ou problemas pessoais de outros tipos.

 

Se a situação for muito grave, se requer ajuda da família para internamento em clínicas de reabilitação, mas deve-se ressaltar que a real vontade de mudança deve partir do dependente químico, pois, ele poderá passar por inúmeros internamentos, mas se não tiver força interior, voltará ao vício outra e outra vez. A chispa divina que existe dentro de cada um de nós, nos impulsiona para a libertação de todos os nossos males.

 

Dentro do internamento, o dependente químico passará por tratamentos variando em intensidade e duração (entre semanas e anos). Existem casos de dependentes que são internados inúmeras vezes até que conseguem se libertar. Mas aplicando o ensinado aqui nesse texto, é certo que se pode se libertar de vez.

 

Após o uso das drogas, ficam as sequelas no organismo, oriundos do desequilíbrio dos centros, dentre elas a impotência sexual. Por meio da Morte do Ego (1º Fator), acompanhada da Transmutação Sexual (2º Fator) e o Sacrifício pela Humanidade (3º Fator), o organismo se nutrirá da própria energia sexual transmutada, a qual regenerará/recuperará seus órgãos internos e todos os outros corpos.

 

Se você, que lê esse texto, conhece pessoas que usam drogas ou familiares que sofrem com dependentes, espalhe esse texto para eles.

 

Se você que está lendo, quer se libertar, espalhe para os seus amigos que também sofrem com isso.

 

Desejo-lhe Força Interior para se libertar do sofrimento!

Segue, abaixo, trecho do V.M. Rabolú falando sobre os estragos das drogas:

"Quero dar como introdução a esta parte esotérica, dois pontos que são básicos e fundamentais, para nós abrirmos passagem através do planeta, posto que são os dois pontos que, em realidade, hoje jogam um papel de muita importância e que nem a ciência, nem os governos, nem ninguém pôde encontrar uma fórmula apropriada para acabar com esse FLAGELO que está consumindo a maior parte da humanidade, incluindo a juventude mais do que tudo. É O FLAGELO DA DROGA!

 

Vocês sabem que a droga está disseminada por todo o planeta, e muito mais entre os jovens. Caíram por ignorância, ou buscando algo superior dentro da droga e, em realidade, a droga é algo não somente nocivo para o corpo físico ou tridimensional, senão para a parte espiritual, por isso vou permitir-me dar-lhes uma pequena explicação do que pude conseguir investigar fora da parte tridimensional e ver todos os estragos que a droga está fazendo.

 

Vemos muito bem que um jovem começa a ingerir a droga e em curto tempo está feito um velho decrépito, porque a droga afeta a parte sexual. A pessoa chega à impotência sexual prematuramente. Por que? Se se inala pelo nariz, a respiração está conectada diretamente com a parte sexual, com a energia, e é lógico que vai acabando com a parte sexual; e, ao acabar com a energia, acaba com a vida rapidamente. 

Se passamos os olhos ao corpo vital, ou corpo etérico, à quarta coordenada, o corpo vital de uma pessoa comum e corrente é visto resplandecente, brilhante. Em troca, num drogado vai-se descolorindo, desintegrando-se essa parte vital, vai perdendo seu brilho, até ficar um cadáver. O vital, sabemos que é o que vitaliza ou lhe dá vida e repara o corpo físico, nos momentos em que o corpo descansa e dorme. Se perdemos a parte vital, é lógico que estamos à beira do cemitério. 

 

Se passamos à quinta dimensão, vemos o corpo astral do drogado que anda como um idiota, como um louco desenfreado, fazendo e desfazendo. E se olhamos dentro desse corpo astral, o que chamamos ego, os demônios que levamos dentro de nós mesmos, estão num grande festim. Por que? Porque a pessoa, por meio da droga, está alimentando esses elementos psíquicos que nós desejamos destruir. Em troca, a droga é um alimento para eles.

 

Se passamos ao corpo mental e examinamos o cérebro de um drogado, vemos totalmente destruídos os tecidos do cérebro do corpo mental. Vão se abrindo gretas, e vão apodrecendo, destruindo-se a si mesmos, e o resultado é a repercussão na parte física, na qual a pessoa se desequilibra e comete barbaridades, por causa do desequilíbrio mental, pela ruptura do corpo mental. 

 

E existe algo mais grave ainda, se passamos ao mundo causal. A ESSÊNCIA começa a sofrer as consequências das drogas, porque ela anda super adormecida. Anda como um bêbado que já vai cair no solo. Assim se vê a ESSÊNCIA de um drogado.

 

De modo que observem não somente os  danos tridimensionais, senão internamente os estragos que a droga faz sobre uma pessoa que se dedica ao seu consumo. Isso é grave!

 

Existem muitas pessoas no Movimento Gnóstico que passaram por esta experiência da droga. Estas pessoas demorarão muito mais tempo em despertar consciência. Até que por meio da própria energia se vão curando pouco a pouco, todas estas atrocidades que fez a droga dentro deles mesmos. São destroços nos corpos internos. De modo, pois, estas pessoas demorarão um pouco mais. Porém vemos como se recuperam. No trabalho com os três fatores vai-se recuperando o corpo físico, vai-se recuperando o vital, e assim sucessivamente...

 

À medida que a pessoa vai trabalhando, vai se recuperando os diferentes corpos e assim poderá chegar a ser uma pessoa normal e capacitada para trabalhar e liberar-se. De modo pois, que isto é algo que se deveria publicar nos jornais e em todas as partes, em meios de difusão, para o bem da humanidade e, mais ainda, da juventude, que é o povo do amanhã. A esperança que temos é a juventude e não devemos deixá-la sucumbir por inatividade nossa, então devemos nos lançar a um campo de batalha para levar aos colégios, a todas partes, reunir as juventudes, entregar-lhes o corpo de doutrina e, além disso, fazer-lhes esta advertência sobre as drogas, aonde os leva e os resultados que se têm.


Esta é uma parte importantíssima que devemos ter como base fundamental dentro do Movimento Gnóstico, para abrir campanha definitivamente, e conseguirmos encaminhar as juventudes pelo caminho espiritual. Isto que lhes acabo de dizer posso afirmá-lo e me responsabilizo do que estou dizendo; estou falando do que conheço, do que pude vivenciar e pude dar fé, ante Deus e ante os homens.


Esta mensagem deve ser multiplicada, levada a todas as partes, publicá-la nos jornais, porque, em realidade, isto é algo que queremos fazer pela humanidade e para a juventude, que é a que nos interessa nestes momentos, posto que, é o povo do amanhã, é o exemplo do amanhã, dos que nos seguem, porque já estamos nos últimos toques e devemos deixar preparada a juventude, para que eles sigam adiante. Isto, oxalá, imediatamente se comece a publicidade, por meio de um artigo no jornal, ou emissoras, porque queremos que, de uma vez, entremos em ação; não deixemos para amanhã, o que pode ser tarde. Ou seja, de uma vez, começar a divulgação deste artigo, que é de suprema importância.


Nunca devemos fechar as portas a um viciado em drogas. Devemos abrir as portas, chamá-los, até reuni-los e dar-lhes ilustração, orientação, para que eles possam deixar a droga e entrem neste Conhecimento de regeneração.

Estudante: Poderia nos aclarar mais sobre o que o senhor falou sobre as drogas, já que é nosso propósito trabalhar nesse sentido: Que orientações práticas podemos dar a uma pessoa que chega aos cursos com o vício já arraigado e não pode livrar-se dele? Há alguma forma, já esotérica, ou através de alguma medicina natural, alguma planta, alguma prática especial, que possamos aconselhar a essa pessoa para ajudar-lhe?


V.M. Rabolú: Veja, dentro do Movimento Gnóstico entraram muitíssimos viciados em drogas, já muitas vezes até loucos. E com o trabalho dos Três Fatores se regeneraram e voltaram, verdadeiramente, a ser pessoas normais, úteis para a Sociedade.


O que ocorre é que um viciado em drogas deve mudar de cidade, ou de povoado, onde ele pertence, para sair desse círculo, porque eles se associam por grupos para drogar-se e todas essas coisas; tirá-lo desse lugar a outro povoado ou cidade, onde não tenha esta associação, não tenha este contato, pois eles ao se verem a sós, abandonam mais fácil o vício. O que eles não podem é dentro de seu mesmo povoado ou cidade, abandonar as drogas, posto que, por onde quer que vão,  encontram companheiros que lhes brindam, os provocam e voltam outra vez a cair na droga. Mas, se saírem do povoado e forem a outro lugar, respondem muito bem, porque todos querem deixar a droga; o que ocorre é que não encontram como fazê-lo. Então deve-se indicar-lhes, por exemplo, que se mudem, primeiramente, do lugar onde se encontram e, assim, eles possam se afastar desse companheirismo e abandonar a droga, porque assim temos feito e tem dado muito bons resultados. Não há outra fórmula especial, posto que são Três Fatores. Deve-se ensinar-lhes a trabalhar com a morte, pois haverá mudança neles e se arrependem e deixam estes vícios." ​ (V.M. Rabolú - Mensagem de Natal 88-89 - Sobre as drogas)

 

 

Vídeo: A bela que foi destruída pelas drogas - Amy Winehouse

Gif: Efeito das drogas.

Imagem: Efeito das drogas.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now